13 de Junho: Santo Antônio de Pemba – Exús

Exús
Visto 495 vezes des de 24 de junho de 2010.

13 de Junho: Santo Antônio de Pemba – Exús

Santo Antonio de Pemba

Entre Santo Antônio de Lisboa e Santo Antônio de Pemba há muita diferença.

Como o número de escravos era superior ao dos fidalgos, haviam em cada fazenda uma capela com o Santo da devoção dos Senhores ou Sinhás das fazendas, onde um Sacerdote da Igreja Católica fazia seus ofícios religiosos.

- Continua depois da Publicidade -

---

Quando os escravos adotaram Santo Antônio de Lisboa por Santo Antônio de Pemba como Exu, fizeram-no por diversos motivos.

O primeiros porque tinham que acompanhar o credo católico; o segundo para ludibriar a boa fé dos senhores das fazendas, pois proibiam que os mesmos professassem o seu culto africano; e o terceiro porque faziam suas festas com fogo, como fogueiras, etc., e o dono do fogo é Exu.

O dia de Santo Antônio de Pemba é 13 de junho, por isso a Umbanda comemora nesta data o dia de Exu.

Exu (origem africana) é o símbolo da fecundação e desenvolvimento.
Carinhosamente tratado como “Compadre“, amigo íntimo sempre presente para defender seu protegido.

Não se pode de forma alguma relacionar os espíritos obsessores aos exus, que realmente existem e viveram encarnados na Terra.

Não se pode de forma alguma confundir os exus com o “Diabo“, pois esse foi criado por outra religião.

Eles são orientados por Guias (Caboclos e Pretos Velhos). Trabalham como intermediários entre os Orixás e os homens em missão do bem para a humanidade. Formam numerosas Falanges, todas lideradas por grandes Chefes agindo no nosso mundo.

São criaturas como nós, já tendo encarnado e desencarnado na terra por muitas vezes.

Muitos até exerceram aqui no mundo os mais altos postos e posições, por seu saber e inteligência, onde cometeram grandes males, provocaram guerras, mas hoje, no espaço, esses sofredores orientados, buscam se regenerar.

Por suas condições, os exus são usados, digamos assim, pelos Orixás e pelos Guias, para levar a justiça onde for preciso; dai atuarem também no terreno do mal, no sentido exato da palavra, pois é a justiça do alto em ação, funcionando contra os perversos, os injustos, os desonestos, enfim.

Eles realizam trabalhos maravilhosos de curas, dão conselhos edificantes, praticam enfim o bem, semeando o eterno amor. São sublimes as suas realizações e sua atuação dentro da Umbanda prestando caridade é uma constante.

O clima que eles criam, de puras e sadias vibrações, beneficiam a todos os presentes, proporcionando-lhes alegria e contentamento.

Devido à cobiça ou à ignorância de muita gente que os conhece mal, consideram eles maus, interesseiros, vingativos.

As pessoas que andam certas na vida não devem temê-los, porque eles nada têm a ver com elas, só com os maus intencionados, os corruptos, os perversos, os interesseiros.

Tal como nós, também um dia penetrarão na senda do amor, onde milhares deles já se encontram marchando rumo à perfeição, pois como tudo na natureza, na criação divina, também estão sujeitos à eterna lei da evolução, que conduz à felicidade eterna e verdadeira.

Exu é quem orienta os trabalhos práticos, abrindo as cerimônias como um guardião, sentinela e protetor de um Centro. Os trabalhos dos Compadres, suas provas assombrosas de força e poder, suas curas maravilhosas nas enfermidades dadas por incuráveis, nos mostra sua beleza de intenções.

Toda pessoa tem seu exu particular, responsável pela força necessária ao seu desenvolvimento.

As cores de Exú

Exus - Santo Antonio de pemba

O vermelho e o negro são as suas cores representativas.

O negro representa todo o culto em potência, sem diferenciação, sendo o primeiro elemento que dinamiza o culto e permite que ele se manifeste.

Por coincidência ou não, no espectro visível do olho humano, vermelho é a vibração de menor frequência, abaixo do nível da qual tudo é negro, ausência de luz.

Sendo o senhor dos limites, inclusive no horário, seu momento mais próprio não poderia ser outro senão a fronteira entre os dias, isto é, a meia-noite.
Existem exus na terra, no fogo, na água e no ar, bem como nas combinações desses elementos e nos estados de transição entre eles, incluindo os cemitérios.

Têm a encruzilhada em “X” como seu local de força, por ser dominador de todos os caminhos.

Exu abre as cerimônias do terreiro em dias de festa e de outras obrigações, é porteiro das matas, dando início para a colheita das ervas; dá conselhos, servindo de intermediário dos Orixás, aos homens; é controlador dos Eguns, inclusive determinando suas reencarnações.

Nos Terreiros, Exu tem sua casa próximo à entrada dos mesmos, denominada “Ailê Okutá” ou “Ilêxus”.

O “Padê” que se oferece a exu no início dos trabalhos, na realidade significa que estamos pedindo a exu para botar para fora da casa os maus espíritos, permanecendo o exu da casa em seu devido lugar, ou seja, na porteira do Terreiro, do padê, do fumo, das bebidas e comidas eles tiram os elementos necessários para seus trabalhos de resgates ao espíritos necessitados e para o combate com os espíritos revoltados, magos negros etc.

Através do tempo, o exu poderá atingir graus de evolução espiritual enormes, de tal forma que poderão passar a integrar as falanges dos Caboclos e dos Pretos Velhos, praticando somente o bem, pelo simples prazer de praticá-los, porém não mais como exus, mas sim como Caboclos e Pretos Velhos.

Na Umbanda atual, onde os chefes de terreiros são mais esclarecidos, com mais cultura e seus filhos também, não se admitem mais os tabus a respeito de Exús e Pombagiras, tais como :

  • Colocar cortina para cobrir o Gongá em dias de Sessão de Exu;
  • Considerar os médiuns que trabalham com Exus ou Pombagiras como perigosos, como assim era de crer naquela época remota;
  • Não permitir que os médiuns do terreiro trabalhem como Exus e Pombagiras, como alguns chefes de terreiros daquela época então procediam;
  • Pensar que Exu ou Pombagira são entidades negativas;
  • Considerar ainda nos dias de hoje que OMULU seja Exu e não Orixá;
  • Exigir que Exus ou Pombagiras incorporem de costas para o Gongá;
  • Pensar que somente na grande hora (meia-noite) seriam horas que Exu ou Pombagira poderiam incorporar;
  • Pensar que um médium após trabalhar com Exu ou Pombagira terá de ser descarregado por um Caboclo ou Preto Velho;
  • Pensar que Exu e Pombagira só trabalham falando “palavrões” e bebendo. Isto é a má orientação dada pelo chefe do terreiro que não respeita a entidade e nem se faz respeitar.

Quando dizemos Exu, inclui-se Exus, Pombo giras e Exu mirim

Exu é como guardião e protetor

Pix Portal10

- Continua depois da Publicidade -

---
CONTINUE LENDO:
#COMPARTILHE:

Deixe uma resposta

- Continua depois da Publicidade -

---


Feito com muito amor!